“Licença poética”

Longe da técnica e das complicações formais da arte poética… Cesar                                    Pinheiro faz poesia, com a naturalidade de quem respira… Qualquer                                      preocupação teórica seria uma forma de corrupção em seu trabalho.                                      Em alguns pontos altos a pureza é arrebatadora … fazendo a poesia,                                    Em seu próprio estado natural… simplesmente existir. (L.C.Lisboa)

1º ato1º ATO

Mergulha a pedra para o fundo d’água e de uma nuvem opaca desabam mágoas servis… Visto o meu terno de giz, manchado de batom…Assim como um aprendiz operário – A descobrir o melhor tom. – Sonho um sonho solidário (editado à luz neón) Até tropeçar no cenário… — E investir meu triste salário… — Em um rolo de fita crepom.

A ARTE DO TEMPERO

Recolha o tempo perdido em potes de cristal. Recite um improviso                                        Para o vento no quintal … Aqueça a rotina na brasa de uma paixão,                        Temperando sua triste sina… – Em um agridoce molho de emoção.                                  Despeje na panela. Uma janela aberta pro céu. Misturando sonhos                                          Na realidade… E (des) cubrindo toda saudade… Com gotas de mel.

vilarejo-noite-estreladaAO TEMPO DAS COISAS

No fundo da noite estrelada. Nada  E tudo se misturam em coágulos… Tentáculos de mundos … — A se… emaranhar. Jogos de vida/espaço, Corpos… Brinquedos… Sonetos, e abraços… Girando ao compasso…    Da sorte e azar… Caminhos vindo por todos os lados…Soma infinita de laços… – A se entrelaçar…

Começo de eras… pretextos… arpejos, quimeras                                                                        Segredos a voar… Em busca do momento exato,                                                                              O instante do fato, De seu mais longo despertar.

armadilhaARMADILHA 

Pensamento,                                                              Consciência…                                                              Moral   

Discernindo entre o Bem e o Mal

O Homem, esse ser racional                                Torna-se um pobre, cego… Indefeso animal            Preso na falsa realidade … das Luzes da sua cidade… de Consumo.    

ARTÉRIA ESTELAR                                                 

Arte, matéria… Artéria estelar… Do ar que respiro – ao lento pulsar                                        Nave navega em próprio mar. O mundo sedento A seu tempo e lugar

A parte que é minha… Caminha pra ser… – Uma parte que sua,                                          Como a lua e o vento… No meu pensamento não há que se ater.   

O Todo é tudo… E em tudo se faz… – Muito embora                                                                      À sombra das horas, Minha verdade escorra pra trás.

Já o Todo que é Nada… nada de mal me traz…                                                                                A não ser… Uma infinita saudade… Por tudo aquilo                                                                  Que hoje… Já não existe mais…

à portaBATENDO À PORTA 

A porta acorda de um sono tardio,                  No trono vazio, manchado do riso                Que não se escondeu                                        A porta se abre em pétala e espinhos            E procura caminhos que não sabe se            viveu…                                                                  A porta se fecha…por brechas e ruídos        De mundos e abismos … que o destino esqueceu;                                                              E em sonhos mal-dormidos…                          Se entorpece de sentidos… – Por                      Tudo aquilo, que em vão, se perdeu.   

COQUETEL DE EMOÇÕES 

Felicidade… palavra translúcida – Coquetel de emoções,                                                        Reabro porções de…’espectros de vida’, Deixando surgir                                                        Mentiras da existência     

A essência precisa da forma… — Mas,                                                                                                  E se a forma for austera ou submissa?

É quando lemas e brasões voam pelos cantos do quarto… Me envolvendo                            Em seus múltiplos sentidos… – Busco o sentimento de um… “grito no ar”                                Ao resgatar sonhos perdidos… – Me sincronizo com estrelas … Por entre                  Camadas de ozônio…Abro as portas do telhado…E, me julgo um SUPER-                          HOMEM!…Procuro no dicionário a forma correta para “EXPECTATIVA”

Aí está o xis do problema!…
cenário barrocoCENÁRIO BARROCO   

Peixes no aquário                                            Repousam tranquilos                                        Por entre abismos                                            De um cenário barroco

Mar morto                                                        De um porto sombrio                                      Revive seus gritos                                            Entre grutas e penhascos

A praia dos sonhos                                          Esconde tesouros

Em submersas escunas,                                  Sob brumas e espadas          

E sob o ouro e a prata                                          Das grandes conquistas,                               

Emergem as lutas vividas                              Em naves piratas.

FANTASMA CLANDESTINO

Luzes de um sobrado na noite fria inspiram elegias                                                                  Que minh’alma padece… quando o tempo esmaece                                                                        E a alegria permanece… 

‘Presa por um fio’ 

Torpor de uma aurora, que de tão distante…                                                                          Vagueio errante por seus inúmeros cômodos,                                                                              Entre assombros … e escombros do destino                                                                              Como o sonho inquietante                                                                                                                  De um (fantasma clandestino).

sol

CÉU & INFERNO

Quero pensar – pois pensar me faz sentir…que não sou eterno,  E assim… — poder sonhar um sonho… — que me prenda nos… subterrâneos de seu mundo interno….Pois, depois de pensar…    e sonhar…tantos mistérios… — quem… não irá — para sempre queimar… — nas… “profundezas“… — de seu próprio inferno?

fundo do baúDO FUNDO DO BAÚ

Quero calar minha voz para que em silêncio                                    Ela penetre na… tênue atmosfera… dos dias                                          Em que não nos sentimos sós…

Pois assim … diante dessas noites escuras,                                Salpicadas de estrelas… – pontilha de sóis                                        Talvez, percebamos … nossa solidão atroz.

efervescênciasEFERVESCÊNCIAS

Fervilham sons e ideias… Quimeras e ilusões
Visões apaixonadas… – paixões de toda sorte
Mais forte, fecunda…

Cometas brilhando sua luz vagabunda 

Jogos de carta… mapas… magia
Orgia de astros e estrelas vadias                  Espaços abertos… Em multi-sinfonias                   

Revistas da moda…Cantigas da roda…                                                                                          Que gira … Que gira.

VENTOS CORTANTES

Atmosfera solar da tarde sem dono                                                                                            Ardendo seu sono…Seu sonho impossível,                                                                                        A guerra…a terra…o míssil                                                                                                                    A fome serena, terrena, terrível                                                                                                        Lua minguante,                                   

Ventos cortantes de algum precipício.   

enigmaENIGMA

Resiste… Às vezes tão dócil… Às vezes tão fria                       Revelando – à luz do dia … Sua magia estelar

Repleta de horizontes, que por fim se escondem           Atrás de montes onde a vista não pode alcançar

Insiste, buscando caminhos que o tempo não viu ou não soube passar,                                      À procura de liberdade… que aos nervos afronte… – Seguindo sempre                                  Para bem mais longe… – Do que seja humanamente possível alcançar.

À espera do alento…Momento de se revelar…Num canto…                                                      Um tanto quanto qualquer… Enquanto puder…assim ficar                                                  Imaginando um lugar. Na pele e no ar… Na carne do olhar. 

floração

FLORAÇÃO

Nas bordas de um céu…cor de mel e algodão                De dentro da terra… – sob um sol primavera,                De uma tarde de verão                                                      Uma flor se abre…               

Em pétalas de um botão

Que se encobre de espinhos…                                              Que se esconde pelos caminhos,                                      Que se espalha pelo chão…

FRAGMENTOS 

Na estrada que corre solta…Em volta da mata…envolta                                                              Na noite… De onde o vento grita, agita…açoita… Numa                                                          Madrugada escura – Pedras da lua, entre nuvens de estrelas

Refletem sombras vermelhas… na Terra… no Céu… E,                                                                    no Anel que tu me deste…Que era vidro, e se quebrou.

PSSARO

INTERSTÍCIO

Um velho sentado…numa cadeira de palha… Lentamente se embala de memórias e sorrisos no cair da tarde… Ao cair do Sol… – Ao som    De pássaros amigos… 

Depois de todo bem ou mal…Relembra o preço de um ideal…E empresta um tom            cordial… – Ao tempo, que lento … (e até o final) … escorreu por entre seus dedos.

EXÍLIO 

Decretei morte ao sentido da perda                                                                                              Decretei corte, ao arame da cerca…                                                                                            Gritei forte… Descartei sorte e azar

Decretei livre pensar!                               

Esperei minha hora, me apagando da memória,                                                                      Vendo o tempo passar…E já quase indo embora  

Me enredei nas teias da história… E abracei minha glória, com emoção,                          Banindo os meus sonhos mortos, pros caminhos tortos do meu coração.

chorinhoCHORO UM CHORINHO 

Choro um chorinho… um choro pequenino            Molhando pandeiro e tamborim…                        Choro um chorinho de saudades sem fim
Pelos tempos de outrora,                                            Pelas luzes da aurora…                                                Em serestas de verão 

Choro um chorinho … de flauta e clarineta,            Cavaquinho e violão … que vai como quem            Não quer nada, se insinuando pela calçada  Driblando as dores do meu coração.

ELEGIA (à Ribeiro Couto)

À noite, no refúgio em que me faço…Num véu de                                                                  Nuvens… – Me descubro… me disfarço…                                                                                   

Lanço palavras tontas pelo espaço… – Tantas … que delas                                                          Logo me desfaço, Em todo verso que converso com o acaso

E a cada momento que por dentro do tempo                                                                            Atravesso lento… Por um murmúrio do mar,                                                                                    Ventos profanos – me envolvem de enganos                                                                                    Em ritos ciganos… – De lamentos mortais.

lado proibido

LADO PROIBIDO

Naturalmente…algo urgente, pra me fazer Lembrar do que já não se diz nem se pode imaginar… — Quando por pensamentos… Palavras e atos… – abstratos ou concretos              O amanhã, se faz incerto… — disperso em                Encantos do mar. E o silêncio soltoecoa                Um sopro do tempo … que ao vento escoa                De um infinito longo demais…a uma Vida                Que palpita espremida…No banco de trás.

OCEANO IMAGINÁRIO

Uma gruta se esconde do mar                                                                                                              E o mar bate nas pedras…que                                                                                                            Se desmancham em areia…

Na areia… à noite… se deitam homens sonhando com a vida                                                  Que, feita de dores, encobre o prazer que se espalha na terra                                                Quando se espelha no mar…  

O sol que alimenta a terra, também aquece o ar…E do horizonte de uma deserta Madrugada… – Do oceano de uma praia imaginada… – Agora vai DESPERTAR.

farol noturnoLUSCO-FUSCO

Por trás de arranhacéus põe-se o sol,            De dentro da noite… — pisca pisca…                Luz de farol 

Enquanto na beira da praia… Castelos de areia… Sonham ao luar… – Nas dunas ao vento, o tempo se espalha…em correntes      de ar 

E assim…  —  como se para sempre…                Fosse o mundo acabar…Suave, macia          Das ondas se anuncia… A leve…breve vadia… brisa do mar.

LINHA DA VIDA 

Existe um sinal ao final de uma estrada… Anunciando a pousada… onde minh’alma…  Descansará…Para lá levarei, para esse porto distante…A única lei, que por tudo o que  Sei…se tornou dominante. – E na luz cintilante de uma madrugada lunar, que jamais esquecerei… – Nesse altar deslumbrante… – Envolto em uma túnica e um turbante…  Desaparecerei…

MAIO DE 68

liberdadeLiberdade, no berço da paixão…A idade da razão, incompreensivelmente se manifesta … Liberdade, a saudade do ser…que Nada no mundo das bocas caladas                                    

Liberdade, a louca palavra… que                                        Abre grades das grandes cidades    

Liberdade… – verdade sombria – de muros e utopias,    Espaços futuros de noites vazias, num belo pôr de sol.

féFÉ PROFUNDA 

Indo, nesta vasta vida boa… Sem nada… – ou ninguém              Que talvez me faça um bem, E também me beije a boca      Mesmo quando essa vida… – Tão corrida… Tão a toa,                      Nas esquinas com neblina…me ultrapasse feito louca

Num canto qualquer… – uma fé profunda,                                      Vem e me barafunda… Me alivia, abençoa.

ventosMEMÓRIA DOS VENTOS

De onde vens vento viageiro                                        Me envolver por inteiro…                                              Em teu perfume volátil?

Quantas terras hás cruzado,                                        Quantos mares navegado…                                          Em tua missão secular?

Diga por tua ‘linguagem cifrada’ – peregrino da esperança,                                                  Onde desemboca a encruzilhada do futuro e da lembrança,                                                      Da vida e do destino… — Mas, se não puderes responder…                                                            Ou se não for eu capaz de entender teu ensino… Segue teu                                            Caminho pelo ar… — Até encontrar… um olhar de menino.

APENAS UM GESTO          

E seria preciso apenas um olhar sem pudor                                                                                    Uma brisa que passasse…Trazendo consigo                                                                                  Um perfume de flor              

Apenas um gesto por certo seria…Um atalho para meus pés                                              Descalços… – Um resto de festa … em uma fresta de sorriso                                                  Chegaria como um aviso… – De que a brincadeira começou.     

E eu me entregaria com prazer para me perder no jogo,                                                                E eu seria fogo… – Mágico louco … – Do circo de lona…     

E você seria a dona do meu coração.

esferaOS 7 SENTIDOS 

Da minha boca à sua, existem luas velozes,      Gritos ferozes, gemidos…Canções de ninar

Canções de acordar…os 7 sentidos…        Paixões secretas, janelas encobertas                  Por cortinas… sem fundo, e sem fim                   

Incendiando palavras frias                                Cuja soma afinal propicia…                            Atroz regalia de mim.

METAMORFOSE (1979)

Quando as estrelas tímidas forem surgindo na luz do crepúsculo                                    Quando os músculos do corpo forem se relaxando… — um a um,                                              Enquanto pássaros livres seguirem cantando sem motivo algum

Como se um sonho imenso abraçasse a realidade e passasse a existir…Como                        Se a Vida inteira se abrisse, para tudo aquilo que se possa sentir… Como se a                Própria razão…Escondida do mundo…perdesse o medo de viver… Como se o                  Homem cansado de tanto sofrer pudesse afinal entender o que diz seu coração.    

justiça

O JULGAMENTO

Senhoras e senhores, aqui estamos reunidos nesta ocasião      À espera da inapelável sentença… – desta respeitosa corte,      Na mui digna presença do meritíssimo juiz…  —  Mais alta        figura que representa a justiça em nosso país. Levantem-se, Por favor…Pois o veredicto vai ser dado – Incontestemente 

A CORTE DECLARA QUE O RÉU É                                                                                                    CULPADO… DE SER INOCENTE!…

O pulo do Gato

O PULO DO GATO 

Refresco a memória…nas horas em que existo,  E avisto entre sombras e conjecturas… rastros,  Pegadas… passadas e futuras  

Na estrada estreita, que a poeira atravessa        Com a pressa de um caracol (…de bobeira)     

O anzol na fruteira, e a maneira de ser o gesto  Em um ato de pura destreza…Do pulo do gato  Ao prato na mesa. Miséria, riqueza…tranquila beleza…Pros olhos do gato…em cima da mesa.

PENSAMENTOS AMBULANTES

Por entre vôos de pássaros, em rotas tortas e oblíquas                                                            Fora do compasso, assim como um laço em desalinho                                                          Cravei na terra submersa… a linha aberta do caminho 

pensamentosPor entre setas e pedras,                                                Demarquei linhas retas                                                        E atento — sigo sozinho,                                                  Sonhando um destempo                                                        De um próprio destino…

Quando mais desesperava,                                                Mais tristeza engolia,                                                            E sonhava mais verdades

Guardando as sobras do dia                                              No meu bolso de saudades.

RELÓGIO DE ESPUMAS

15 para as 4 no relógio de espuma da parede de cristal15 minutos

15 para as 4 nas teclas do piano… Onde                                    A voz do cantor se debruça apaixonada 

15 minutos para o fim da festa…                                                15 minutos é tudo o que resta para toda                                Sorte de convites, todo acerto de contas

15 minutos para a dama e o rapaz                                              15 minutos… — Nada mais…

PAISAGEM DISTANTE

Sangra dos meus olhos – em cores dissonantes… Uma paisagem distante                            Onde à beira do horizonte, em total nostalgia, sonhos se fazem realidade,                                Em perpétua calmaria… E utopias constroem Misteriosos portais — para                          Tornar assim seus problemas banais…navegando na rotina…do dia a dia.  

RESTINGA restinga

Existe um céu, por detrás das ruínas, onde o véu da neblina já não pode alcançar. Céu de um azul, cor de tempo esquecido … que aquece os sentidos, e me faz recordar… De um mar na restinga, onde o vento se vinga Sem parar de soprar…suas memórias para dentro de conchas – que logo … se põem a sonhar, sonhos brotando d’água cristalina, Sonhos que batem… — nas pedras do mar.

OS FRUTOS                                      

O sol na cabeça, e os sapatos pela estrada de barro                                                                  Onde frutos maduros, caem pelo mato                                                                                          Em meio a um regato tranquilo… 

O sol no regato, e os frutos caídos pelo mato…                                                                            Por um tempo esquecidos ao longo da estrada…                                                                      Embrenhada na mata – onde correm esquilos… 

 O sol pelo mato…e a mata que resta, pelo fogo – comida                                                           Da floresta só…sobraram memórias – sementes de vida.

trajetória.pngTRAJETÓRIA 

Longe, tão longe… Correndo contra o vento…            Por um vago sentimento…insano e insaciável Morre…morre lento… – O sol magento… Celebrando mais um dia…                                              De sua insondável passagem

Movendo sua luz – ‘reflexo’… da paisagem,              Escorre, andaluz – sua sombra & imagem                                                                                    Anunciando noites de lua, que em carne crua, assim também flutua, sua pálida face de aço  Em esplendor/sobressalto. Enquanto vazio…vazado, Caio em soluços…por laços absurdos, Nos teus braços macios… – Nos teus lábios frios de orvalho.

significadoSIGNIFICADO

Vagueia no ar… — no altar das coisas sem nome,                        Um olhar inconstante de tonalidade multiforme                      Que varia… conforme… — sua própria sutileza…                      Seus tons são “clarões” … que incendeiam meus                      nervos. E se chego a tocá-los nos limites da pele,                                                                             Sua presença mais leve… – Se traduz em desejo.

O MURO E O ABISMO

No azar ou na sorte da vida e da morte – Quando em vez                                                         Surge um corte … Que nos precipita… – No escuro vazio.

De onde um muro sombrio – Que limitava o caminho                                                            Observa abismos… – Guardado em espinhos.

playa-del-sol-jessilyn-park

VELEIRO

Velejo um barco… – que os mares invade  Cortando águas tranquilas no crepúsculo    Da tarde. Viajo com o rumo voltado para    Um lugar… A ilha de liberdade…onde Almejo chegarVentos sopram brisas Que inflam a vela presa no mastro… Até Que a saudade enfim se agita … Indo em Busca de seu rastroA noite é calmaria,        É quando tudo silencia pelas ondas de Uma vidaEntre o brilho de seus astros.

COISA & TAL

Olhos pairam, pensamentos voam… Aves sobrevoam                                                              Seus ninhos… Caminhos se bifurcam num até breve

Uma onda leve… – desaba no porto…                                                                                            Uma longa saudade habita meu corpo

Um resto de sol nas nuvens ao vento… No mar, na cidade                                                          E, nas loucas verdades do meu pensamento.       

sinoSINO DE BRONZE

Pelo trabalho do corpo… – Na inércia do mar,                              Se faz passar, da água ao vinho…Pelos rumos                              Da vida…retorcida ao vento. – Se surpreende                                O momento em que não se está mais sozinho.                          Multiplicam-se os pães… Entorna-se o vinho.                                A mesa é farta… – Pois a palavra…É um hino.                                Sim…O sino é de bronze… – E o teto, destino.

SONHO SELVAGEM 

É quando as luzes se apagam – e as promessas se pagam … em beijos de despedida,            Que vejo em teus olhos refletida, minha vida passageira, de estrangeiras realidades 

E me atrai a vontade… de tê-la em meus braços… Pelo espaço de um segundo                    Até que o mundo desabe por onde ninguém mais sabe… Nem jamais voltou… 

Mergulhado em coragem… Imerso num vazio reconfortador                                                Talvez então me desperte… De um infinito sonho selvagem                                                Perdido, e louco de amor.         

bondinho

TRILHA DO BONDE

Por onde flutua… – na noite escura                  A lua e a rua … na minha ou na sua                  Imagem solar?… Por onde se esconde              A trilha do bonde … A fruta do conde,              Curva do monte & linha do horizonte          Na terra ou no ar?…  

Por onde se vai, minha vida passageira,                                                                                        Repleta de certas infindas brincadeiras                                                                                  Vivendo à beira… Da miragem sonhar?

liberdade

UM INSTANTE, LIBERDADE

Rebusco na estante…Um instante, liberdade,                Rabisco folha em branco em brancas nuvens                de saudade… — Deixando os sonhos soltos…

Voarem pelos ares…

Aposto corrida, com a vida que me cerca…                    Qual a regra a ser cumprida, quantas ilhas,                  quantos mares?…

São os ossos do ofício… Artifícios, tempestades      Mentiras, quase verdades… — Que como vícios              Nos distraem… Por entre os 4 cantos da cidade.

VESTÍGIOS

relâmpagoQualquer gesto … qualquer olhar… Pra surpreender (ou imaginar) o prazer que vier de um verso qualquer… Na noite estelar…Noite a pulsar, fazendo vibrar, pelo vasto teto solar…Teias de veias carnais… Sintonizando ondas, Onde oficinas siderais, carentes de um mundo a sonhar transmitem o arrepio… de um relâmpago fugidio… Que TRANSPASSA o AR…

INVENTÁRIO                              

Por isso me invento… – com o vento levando meus passos… – para o lado contrário do espelho … Em busca de um objetivo… – “objeto ativo”… cuja imagem…se faz na ação…    No chão, paisagem deserta, solidão sempre alerta, em contida emoção…Quando então,      A paixão proibida se sente…entre a serpente e a maçã…mito e talismã…culpa e perdão.  ****************************(texto complementar)********************************

sempreSEMPRE

Jamais se saberá com que meticuloso trabalho                  Veio o ‘Todo’… e apagou os vestígios de tudo                      E, quando nem mais suspiros havia, Ele surgiu                  De um salto…Vendendo súbitos “espanadores”                      De todas as cores. (M. Quintana)                                                                 

Sobre Cesarious

estudei Astronomia na UFRJ no período 1973/1979.
Esse post foi publicado em poesia e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para “Licença poética”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s