Arquivo da categoria: epistemologia

Epistemologia Contemporânea; Metafísica pós-Moderna

“Em grego, theoria é repouso puro, a mais alta energia, o modo mais elevado de colocar-se na obra, excetuando-se todas atividades práticas”. (‘A Utilidade do Inútil’…Nuccio Ordine) A ‘Teoria do Conhecimento’ – ao ser sistematizada no século XVII, possibilitou saltar … Continuar lendo

Publicado em epistemologia | Marcado com , , , , | 1 Comentário

Toda Educação Filosófica… É Cosmológica!…

“Se toda realidade é individual e única…e o universo é infinito – embora contraído, nada haverá que se repita igualmente 2 vezes; a Terra não estará no centro do mundo, porque não haverá nenhum centro fixo… a esfera das estrelas não … Continuar lendo

Publicado em epistemologia | Marcado com , | 2 Comentários

Filosofia como didática para uma Ciência evolutiva

‘Qualquer filosofia superior, na qual não continuem a existir as realidades do plano que ela pretende ultrapassar…é uma impostura’ (Louis Pauwels) A importância da filosofia ao ensino científico…há muito tempo tem sido negligenciada. Muitas discussões de pensadores como… Popper, Kuhn, Lakatos e Feyerabend, poderiam ser … Continuar lendo

Publicado em epistemologia, filosofia | Marcado com | 1 Comentário

Os Infinitos Jogos de Linguagem de Wittgenstein

“A filosofia … em seus primórdios – teve início através de ‘jogos de enigma’ em torno do sagrado. Esse era ainda um tempo sem criação, sem consciência, e portanto, um tempo de homens sem culpa” …   (Felício dos Santos… – ‘Razão … Continuar lendo

Publicado em epistemologia, filosofia | Marcado com , | 1 Comentário

Epistemologia da Complexidade (Bachelard & Morin)

“A existência de algo que não podemos penetrar; a percepção da mais profunda razão,   e da radiante beleza do mundo à nossa volta – que apenas nas formas mais primitivas nos são acessíveis… é esse conhecimento/emoção que constitui a … Continuar lendo

Publicado em epistemologia | Marcado com , | 2 Comentários

Método Científico (da Grécia ao Maracanã)

“A ciência é um sistema de relações…de onde se extrai sua objetividade.                              Assim, ela nos faz conhecer… — não a natureza das coisas… — mas sim,  … Continuar lendo

Publicado em epistemologia, filosofia | Marcado com | 1 Comentário

‘Espaço de Hilbert’, e os limites da ‘lógica simbólica’

“As noções fundamentais da geometria… e as abstrações decorrentes – não                          são parte do mundo em que vivemos, mas sim da forma como construímos          … Continuar lendo

Publicado em epistemologia, física, matemática | Marcado com , , , | 2 Comentários

O que é Ciência (segundo Paul Davies)

O que é a ciência? Paul Davies

A ciência tem de envolver mais do que a mera catalogação de factos e do que a descoberta, através da tentativa e erro, de maneiras de proceder que funcionam. O que é crucial na verdadeira ciência é o facto de envolver a descoberta de princípios que subjazem e conectam os fenómenos naturais.

Apesar de concordar completamente que devemos respeitar a visão do mundo de povos indígenas não europeus, não penso que coisas como a astronomia maia, a acupunctura chinesa, etc., obedeçam à minha definição. O sistema ptolemaico de epiciclos alcançou uma precisão razoável ao descrever o movimento dos corpos celestes, mas não havia qualquer teoria propriamente dita subjacente ao sistema. A mecânica newtoniana, pelo contrário, não apenas descrevia os movimentos dos planetas de modo mais simples, conectava o movimento da Lua com a queda da maçã. Isto é verdadeira ciência, pois revela coisas que não podemos saber de nenhuma outra maneira.

Terá a astronomia maia ou a acupunctura chinesa alguma vez conduzido a uma previsão que não tenha falhado nem seja trivial e que tenha conduzido a novos conhecimentos sobre o mundo? Muitas pessoas tropeçaram no facto de que certas coisas funcionam, mas a verdadeira ciência consiste em saber por que razão as coisas funcionam. Tenho uma atitude de abertura em relação à acupunctura, mas se tal coisa funcionar, apostaria muito mais numa explicação baseada em impulsos nervosos do que em misteriosas correntes de energia cuja realidade física nunca foi demonstrada.

Por que razão nasceu a ciência na Europa? Na época de Galileu e Newton a China era muito mais avançada tecnologicamente. Contudo, a tecnologia chinesa (como a dos aborígenes australianos) foi alcançada por tentativa e erro, refinados ao longo de muitas gerações. O boomerang não foi inventado partindo da compreensão dos princípios da hidrodinâmica para depois conceber um instrumento. A bússola (descoberta pelos chineses) não envolveu a formulação dos princípios do magnetismo. Estes princípios emergiram da (verdadeira, segundo a minha definição) cultura científica da Europa. Claro que, historicamente, surgiu também alguma ciência de descobertas acidentais que só mais tarde foram compreendidas. Mas os exemplos mais óbvios da verdadeira ciência — tais como as ondas de rádio, a energia nuclear, o computador, a engenharia genética — emergiram, todos eles, da aplicação de uma compreensão teórica profunda que já existia — muitas vezes há muito tempo — antes da tecnologia que se procurava.

As razões que determinaram que tenha sido a Europa a dar à luz a ciência são complexas, mas têm certamente muito a ver com a filosofia grega e a sua noção de que os seres humanos podiam alcançar uma compreensão do modo como o mundo funciona por intermédio do pensamento racional, e com as três religiões monoteístas — o judaísmo, o cristianismo e o islamismo — e a sua noção de uma ordem na natureza, ordem essa que era real, legiforme, criada e imposta por um Grande Arquitecto.

Apesar de a ciência ter começado na Europa, é universal e está agora à disposição de todas as culturas. Podemos continuar a dar valor aos sistemas de crenças das outras culturas, ao mesmo tempo que reconhecemos que o conhecimento científico é algo de especial que transcende a cultura.

(tradução Desidério Murcho)

Continuar lendo

Publicado em epistemologia | Marcado com | 1 Comentário

Nietzsche – A origem da ‘lógica’, e o significado do ‘conceito’

A filosofia de Nietzsche, ao invés de se encaminhar para uma grande síntese, se encaminha para a criação…e a liberdade. – A aliança com a arte é fundamental para a compreensão do “pensamento vitalista” – porque com ela é possível … Continuar lendo

Publicado em epistemologia | Marcado com | 2 Comentários